quarta-feira, 26 de abril de 2017

Catharsis














The wind carries your scent 
As you walk right in front of me 
Every step - the body waving 
(Almost as if dancing) 
And the giggles once trapped by 
Your velvet lips finally roam free 

I come closer silently, and though 
We do not touch I can feel the warmth 
Emerging from your skin - 
As it has always been - realizing 
You've been wanting me just as much 
As I have beseeched you to be 

I breathe into your neck ever so discretely 
And your shivers thrill me as I'm going deeply, 
Into your fantasies, of wild love and freedom 
Growing like four-leaf clovers between the trees 

Insanity flows, so wet that it's dripping, 
Savage lust forges the sound 
Of your clothes ripping, under the moonlight 
On which we are bound to endure 
These cravings until the morning sun 
Rises with all it's mighty contour. 

Akila Sekhet 


-------

Image: Catarse by João Pedro Marques

https://www.facebook.com/JPMArts/
http://jpmarts.tumblr.com/





sexta-feira, 14 de abril de 2017

Malak












Trazes na flama da tua pernada 
Galáxias desfeitas pelos teus pés; 
Enquanto te escondo do mundo 
Represento, solene aquando extenuada, 
E ao invés de tépido o teu rugido 
Arde nas vísceras, soprando 
Um caos do mais profundo 

Tens o reflexo espelhado na brisa 
De um devaneio longínquo e malfadado... 
Demónio! Irmã que vive o sangue 
De cariz complexo, da minha raiz 
Ramifica a tua no sentido inverso. 

Do meu sepulcro ergue-se a tua mão possante  
Corrompe a mente e esconde-a em sedas  
Enroladas na alma como que um turbante;  
Da tua identidade procuro o fulcro, com insucesso   
- Devo declarar - ao te manifestares nas fissuras 
De esfinges quebradas por um ínfimo esgar.

Tatiana Pereira

Alvorada












Alvorada, quando a sonolência dos seres
é inundada pelo chilrear do vazio
que atravessa o silêncio da madrugada

Longas passadas pela calmaria
das horas memoráveis; pelo riso...
Vivo! que nasce do arrebatador espírito
De quem já nada via
E que aprendeu a sonhar

Atenta... os deuses gritam implacáveis
E a vibração turbilha ao longe
Com as ondas do mar

Nas suas vozes ouvi a claridade
atravessar a noite que perdurava 
Em mim e, na verdade - além de sua fealdade -
Num flamejante raio turquesa fulminava
a terra húmida com o doce aroma a Jasmim

Neblina da ilusão, nascida em si e do gelo
em combustão, lança gotículas grossas
Que em cascata escorrem do meu cabelo


Tatiana Pereira

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Agosto













Quanto oscila a mente entre a fúria e o desgosto…
As lágrimas do espirito correm mais que as pernas,
Que nos passos desenham uma gélida tarde de Agosto

O mundo é para trás, demasiado adormecido
E lento para a mágoa; distante dos prazeres
Tão difíceis de reter como entre as mãos
Segurar uma pequena porção de água

Persegue como a sombra que, unida aos pés,
Esboça as formas do vulto, dança em redor
E espalha a Treva num tumulto

Ou como a música que chora de amor
E odeia o esgar de um sorriso efémero
Só pelo facto de se recordar

Lento como a velocidade que se arrasta
Para lá de mim e te trás no meu encalço
Enquanto cismo em seguir
O caminho para lado nenhum….
O caminho para fugir
De mim

Akila Sekhet

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Death-Shaped Love












Everything is backwards,
Inside out and upside down

In your abyss, my darkness
When you left me there alone
Sobbing - heart disfigured,
Frowning, while you cast
Upon me an unbearable stone

And like a razor in my throat
Tears were silenced unsuccessfully
Begging - if you please, before you go - 
Do me one last favour…

Finish whatever’s left of me


Akila Sekhet

domingo, 11 de novembro de 2012

Sensations











The day went by and the night came forth
And with none whatsoever a blink
I stared at the sky and I dared to think:

“My Star is brighter and shinier too”

Then I felt so fearless
And deep within my heart
I wished the Sun was nameless
So I could name it after you

As I laid there crouching
Knees widely spread, gauging 
The immensity of the darkening blue,
In the dirt with a handful of clay
Suddenly came a thought:

“If I could sculpt Love
In the shape of a woman
I would be sculpting you”

No matter what I thought or said
Or how many thousand flowers
I’ve picked and brought in my head
I still had many questions:

“How can I reach the sky 
to grasp the prettiest star?”
“How can I hold you tight
If the ground is way too far?”

And by God I swear, I felt such fright
While standing there for hours
Breathing those new sensations

Tatiana Pereira

domingo, 4 de novembro de 2012

A Pior Parte











Não mais luz nas cores;
A cortina cinza desce,
Escorre a treva e desce
Apaga e assombra o negro
Do vazio…

Lembro-me de em tempos
Ter roubado aos anjos as suas
Pétalas de flores num alfinete
Que te pendurei ao peito;
A luz!

E dentro das cores as cores
Dentro de cores, dentro das cores
De cores

Um vento frio surge na tua boca
Que beijei e como me rompe
O espirito! Sombra, quando
Me deito de mãos unidas ao peito
Segurando o coração que se quebra,
E quebra na voz oculta que grita
Plenamente louca

E que não se faz ouvir…

Na companhia do amor
Vi-te olhares-me dentro dos olhos
Com um olhar que nunca to conheci,
E após a beleza das palavras
(Em que me falaste de um mundo
Onde coubemos em silêncio)
A tua alma eu descobri - A Luz

Sou o espectro da alvorada!
Fogo ardente que não queima
Mas me transforma em alguém
Parecido a mim

Murmuro numa voz abafada
“Sou a pior parte de mim…”
Não mais as cores
“A pior parte… de mim…”
Não mais a luz!
“A pior parte do meu Inferno” 

Akila Sekhet